quinta-feira, outubro 30, 2008

Ainda o tapete lá de casa

É verdade que um membro não faz o partido, pelo que se deve dar o devido desconto - embora longe de mim, mesmo muito longe, defender o PNR. Mas é, no mínimo, curioso que um dos membros desse partido lidasse bastante de perto com emigrantes ilegais, das quais se servia para gerir um lucrativo negócio de prostituição.

6 comentários:

Renato disse...

parece que o forte da extrema direita cá em Portugal não são gays, mas sim a e/imigração!

Que gente podre. Catí, não ponhas mais destas coisas, que isto faz mal à'iálma!

Isobel disse...

Oh,pá, bichas não, cá não looool
Só putas, que isso é que é de homem :D

Eu mete-me nojo estas coisas, é bom que se saiba... toda a gente tem telhados de vidro, por isso é bom não se filiar num partido loooool

underadio disse...

Pois,suspirado tb

Silva disse...

Tal como já disse, nada me surpreende vindo daqueles gajos. Para começar, acho piada que seja anti-imigração, quando aparentemente tem paizinhos emigrantes. Aliás, muitos desses camelos têm passado de emigrantes aqui ou ali.

Enfim... nem vale a pena dizer mais nada. E o bigodinho-mor que venha agora fazer de conta que não sabia o que se passava... Porque é óbvio uma coisa dessas, onde até a mulher entrava, era fácil de esconder. Pffffft.

KameraManInBlack disse...

parece-me normal que alguém que vive de um negócio ligado à emigração ilegal queira que o estado torne mais difícil a emigração... pois com o aumento da dificuldade, o preço a pagar pelos emigrantes sobe vertiginosamente.

Isobel disse...

Under, percebo o teu suspiro lool

Silva, es berdad.. normalmente, as pessoas renegam veementemente aquilo que mais receiam ou o que as envergonha de alguma maneira.

Kameraman, sim, faz muito sentido.. aquilo que é ilícito dá muito dinheiro.